BLOG PROGRESSISTA - NOTICIAS PREFERENCIAIS DO PT

RESPONSÁVEL MARIO ALVIM DRT/MT-1162

quinta-feira, 30 de setembro de 2010

Chega dessa palhaçada! Gilmar Mendes não tem mais condições de continuar no Supremo


- por Wálter Fanganiello Maierovitch, no Terra Magazine

A matéria apresentada pelo Jornal Folha de S. Paulo é de extrema gravidade. Pelo noticiado, e se verdadeiro, o ministro Gilmar Mendes e o candidato José Serra, tentaram, por manobra criminosa, retardar julgamento sobre questão fundamental, referente ao exercício ativo da cidadania: o direito que o cidadão tem de votar.

Atenção: Gilmar e Serra negam ter se falado. Em outras palavras, a matéria da Folha de S.Paulo não seria verdadeira.

Pelo que se infere da matéria, o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes interrompeu o julgamento do recurso apresentado pelo PT. Pela ação proposta, considera-se inconstitucional a obrigatoriedade do título eleitoral, acrescido de um documento oficial com fotografia.

O barômetro em Brasília indica alta pressão. Pressão que subiu com o surpreendente pedido de “vista” de Mendes. E que chegou no vermelho do barômetro com a matéria da Folha. Ligado o fato “a” (adiamento) com o “b” (pedido de Serra), pode-se pensar no artigo 319 do Código Penal: crime de prevaricação.

Já se fala entre políticos, operadores do Direito e experientes juristas, caso o fato noticiado na Folha de S.Paulo tenha ocorrido e caracterizado o pedido de Serra para Gilmar “parar” o julgamento, em impeachment do ministro.

O impeachement ecoa na “rádio corredor” do Supremo. E por eles circulam ministros e assessores.

Com efeito. O julgamento da ação proposta pelo PT transcorria sem sobressaltos. Não havia nenhuma dificuldade de ordem técnica-processual. Trocando em miúdos, a matéria sob exame dos ministros não tinha complexidade jurídica. Portanto, nenhuma divergência e com dissensos acomodados e acertados.

Sete ministros já tinham votado pelo acolhimento da pretensão apresentada, ou seja, ao eleitor, sem título eleitoral, bastaria apresentar um documento oficial, com fotografia. A propósito, a ministra Ellen Gracie observou que a exigência da lei “só complica” o exercício do voto.

O que surpreendeu, causou estranheza, foi o pedido de vistas de Gilmar Mendes. Como regra, o pedido de vistas ocorre quando a matéria é de alta complexidade. Ou quando algum ministro apresenta argumento que surpreende, provocando a exigência de novo exame da questão. Isso para que quem pediu vista reflita, mude de posição ou reforce os argumentos em contrário.

Também causou estranheza um pedido de vista de matéria não complexa, quando, pela proximidade das eleições, exigia-se urgência.

Dispensável afirmar que não adianta só a decisão do Supremo. É preciso tempo para a sua repercussão. Quanto antes for divulgado, esclarecido, melhor será.

Terceiro ponto: a votação no plenário do STF se orientava no sentido de que a matéria era de relevância, pois em jogo estava o exercício da cidadania. A meta toda era, como se disse no julgamento, facilitar e não complicar o exercício da cidadania, que vai ocorrer, pelo voto, no próximo domingo, dia das eleições.

Um pedido de vista, a esta altura, numa questão simples, em que os sete ministros concluíram que a lei sobre a apresentação de dois documentos para votar veio para complicar, na realidade, dificultava esse mencionado exercício de cidadania ativa (votar).

O pedido de vista numa questão que tem repercussão, é urgente e nada complexa, provocou mal-estar.

Os ministros não querem se manifestar sobre a notícia divulgada pela Folha, uma vez que, tanto José Serra quanto Gilmar Mendes negaram. Mas vários deles acham que a apuração do fato, dado como gravíssimo, se for verdadeiro, é muito simples. Basta quebrar o sigilo telefônico.

Pano rápido. Como qualquer toga sabe, a matéria da Folha de S.Paulo é grave porque envolve, caso verdadeira, uma tentiva de manipulação que prejudica o direito de cidadania. Trata-se de um ministro do Supremo, que tem como obrigação a insenção. Serra e Mendes desmentiram. A denúncia precisa ser apurada pelo Ministério Público e, acredita-se, que a dra Cureau não vai deixar de apurar e solicitar, judicialmente, a quebra dos sigilos telefônicos de Serra e Mendes.

A única forma de se cassar um ministro do Supremo, já que o Conselho Nacional de Justiça (CNJ) não tem poder correcional sobre eles, é o impeachment. Ministros do Supremo só perdem o cargo por impeachment.

O único caminho, quando se trata de grave irregularidade, de crime perpetrado — e esse caso, se comprovado, pode ser caracterizado como crime —, é o impeachment.

Na historiografia judiciária brasileira nunca houve impeachment de ministro do STF. Já houve cassação pela ditadura militar, e por motivo ideológico.

JORNAL NACIONAL DETONA BETO RICHA . MOTIVO: CENSURA À PESQUISAS ELEITORAIS

José Serra manda no STF. Gilmar Mendes obedece: Após falar com Serra, Gilmar Mendes para sessão


Após falar com Serra, Mendes para sessão

José Serra fala ao celular com o ministro do STF Gilmar Mendes em auditório onde se reuniu com entidades de servidores

Após receber uma ligação do candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, o ministro do Supremo Tribunal Federal Gilmar Mendes interrompeu o julgamento de um recurso do PT contra a obrigatoriedade de apresentação dos dois documentos na hora de votar.

Serra pediu que um assessor telefonasse para Mendes pouco antes das 14h, depois de participar de um encontro com representantes de servidores públicos em São Paulo.

A solicitação foi testemunhada pela Folha.

No fim da tarde, Mendes pediu vista (mais prazo para análise), adiando o julgamento. Sete ministros já haviam votado pela exigência de apresentação de apenas um documento com foto, descartando a necessidade do título de eleitor.
A obrigatoriedade da apresentação de dois documentos é apontada por tucanos como um fator a favor de Serra e contra sua adversária, Dilma Rousseff (PT). A petista tem o dobro da intenção de votos de Serra entre os eleitores com menos escolaridade.A lei foi aprovada com apoio do PT e depois sancionada por Lula, sem vetos.

"MEU PRESIDENTE"

Ontem, após pedir que o assessor ligasse para o ministro, Serra recebeu um celular das mãos de um ajudante de ordens, que o informou que Mendes estava na linha.Ao telefone, Serra cumprimentou o interlocutor como "meu presidente". Durante a conversa, caminhou pelo auditório. Após desligar, brincou com os jornalistas: "O que estão xeretando?"

Depois, por meio de suas assessorias, Serra e Mendes negaram a existência da conversa.Para tucanos, a exigência da apresentação de dois documentos pode aumentar a abstenção nas faixas de menor escolaridade.Temendo o impacto sobre essa fatia do eleitorado, o PT entrou com a ação pedindo a derrubada da exigência.

O resultado do julgamento já está praticamente definido, mas o seu final depende agora de Mendes.Se o Supremo não julgar a ação a tempo das eleições, no próximo domingo, continuará valendo a exigência.
À Folha, o ministro disse que pretende apresentar seu voto na sessão de hoje.

CONSENSO

Antes da interrupção, foi consenso entro os ministros que votaram que o eleitor não pode ser proibido de votar pelo fato de não possuir ou ter perdido o título.
Votaram assim a relatora da ação, ministra Ellen Gracie, e os colegas José Antonio Dias Toffoli, Cármen Lúcia, Ricardo Lewandowski, Joaquim Barbosa, Carlos Ayres Britto e Marco Aurélio Mello.

Para eles, o título, por si só, não garante que não ocorram fraudes. Argumentam ainda que os dados do eleitor já estão presentes, tanto na sessão, quanto na urna em que ele vota, sendo suficiente apenas a apresentação do documento com foto."A apresentação do título não é tão indispensável quanto a do documento com foto", disse Ellen Gracie.

O ministro Marco Aurélio afirmou que ele próprio teve de confirmar se tinha seu título de eleitor. "Procurei em minha residência o meu título", disse. "Felizmente, sou minimamente organizado."

A obrigatoriedade da apresentação de dois documentos foi definida em setembro de 2009, quando o Congresso Nacional aprovou uma minirreforma eleitoral.O PT resolveu entrar com a ação direta de inconstitucionalidade semana passada por temer que a nova exigência provoque aumento nas abstenções.

O advogado do PT, José Gerardo Grossi, afirmou que a exigência de dois documentos para o voto é um "excesso". "Parece que já temos um sistema suficientemente seguro para que se exija mais segurança", disse.Na Folha dos tucanos

Por G1 e Terra, ambos destacando Gilmar Mendes, o Supremo adiou a decisão sobre os documentos. No início da noite, "Gilmar Mendes" liderou os "trending topics" do Twitter no mundo, em meio a palavrões.

Quem fez mais pelo Brasil FHC/SERRA ou LULA/DILMA (Quem compara vota Dilma)







LULA E DILMA (Mensagens de amor vencendo o Ódio)



Dilma é vítima de mentiras espalhadas pela internet


Recebi recentemente um e-mail, destes que em princípio parecem ter o nobre intuito de nos alertar para algo grave. A mensagem dizia que a candidata à Presidência da República, Dilma Roussef, teria afirmado: “Nem mesmo Cristo querendo, me tira essa vitória”. O spam, com texto pobre, dizia: “Após a inauguração de um comitê em Minas, Dilma é entrevistada por um jornalista local...” Como as informações eram muito vagas (um comitê em Minas; um jornalista local), saí em busca de algo mais consistente, como um vídeo da suposta declaração ou ao menos uma gravação em áudio, mas não encontrei nada. Assim, tive certeza que se tratava de mais uma mentira.

Se os cristãos fossem tão ágeis e eficientes para usar as ferramentas modernas da comunicação na pregação do Evangelho, assim como parecem ser para disseminar boatos, certamente muitas almas seriam ganhas para o Senhor Jesus.

Quem pensa que está prestando algum serviço ao Reino de Deus, espalhando uma informação sem ter certeza de sua veracidade, na verdade, está fazendo o jogo do diabo.

O Senhor Jesus não precisa de advogados, nem de assessores de comunicação que saiam em “defesa” de Seu Nome. Ele precisa de verdadeiros cristãos, que entendam, vivam e preguem a Verdade.

Devemos observar que pessoas mal intencionadas têm procurado confundir muitos cidadãos com mentiras mal elaboradas, a fim de atrapalhar o trabalho sério de alguns candidatos. Pense nisto.

Nestes dias que antecedem as eleições, devemos observar se a plataforma dos candidatos em quem pretendemos votar, não pode vir a prejudicar a Igreja. Use seu voto de forma consciente e responsável.

Assista aos depoimentos de lideranças religiosas

Um grupo de importante líderes cristãos se reuniu com a candidata Dilma Rousseff na quarta-feira, em Brasília, para discutir vários temas.

Depoimento do missionário Gabriel Chalita


Depoimento do Irmão Lázaro


Depoimento do Apóstolo Cesar Augusto


Depoimento do Padre Gabriel Cipriani


Depoimento do Bispo Manoel Ferreira

JORNAL NACIONAL,'VEJA',ESTADÃO E O GLOBO ESCONDERÃO A NOTÍCIA QUE SERRA E GILMAR MENDES SÃO ACUSADOS DE CORRUPÇÃO ? COM CERTEZA , SÃO TODOS CORRUPTOS


ALÔ , GILMAR MENDES ?
SIM , MEU PRESIDENTE.
PARA A VOTAÇÃO AGORA , SE NÃO ELES VÃO GANHAR E NÓS ACHAMOS QUE O POVO BRASILEIRO É UM BANDO DE IDIOTAS E NÃO VÃO LEVAR OS DOIS DOCUMENTOS EXIGIDOS E NÓS VAMOS PARA O SEGUNDO TURNO. ATÉ A VITÓRIA !
VITÓRIA ? MEU PRESIDENTE , DEPOSITA NA MINHA CONTA A GRANA E TUDO ESTARÁ CERTO.
JÁ DEPOSITEI.
AGORA SIM , ATÉ A VITÓRIA !

Datafolha disfarça pesquisa mal-feita e coloca Dilma com 52% dos votos válidos

ANJ e OAB criticam decisão contra Datafolha no PR


Associação de jornais diz que medida, tomada a pedido de tucano, é "censura prévia"

DO ENVIADO ESPECIAL A CURITIBA
DE CURITIBA
DE SÃO PAULO

A ANJ (Associação Nacional de Jornais) e a OAB (Ordem dos Advogados do Brasil) criticaram a decisão judicial que proibiu a divulgação de pesquisas eleitorais no Paraná. A proibição foi pedida pelo candidato do PSDB ao governo, Beto Richa.
"A ANJ considera medidas judiciais dessa natureza como censura prévia e violação ao princípio da liberdade de expressão assegurada pela Constituição", diz nota da entidade de jornais.

"O intuito de subtrair à opinião pública informações sobre o andamento da disputa eleitoral fica evidenciada pelo fato de que as edições anteriores das mesmas pesquisas, enquanto apontaram vantagem do reclamante, não foram por ele questionadas", continua o texto.

O presidente da OAB, Ophir Cavalcante, afirmou ontem que é "preocupante" o impedimento de publicação de pesquisas. "Quando candidatos e partidos, sob qualquer argumento, inibem a divulgação de pesquisas eleitorais estão bloqueando informação para o eleitor", disse.

Foi a segunda vez que Richa barrou a divulgação do Datafolha, alegando irregularidades no levantamento.

A decisão foi do juiz Nicolau Konkel Júnior, do TRE-PR (Tribunal Regional Eleitoral do Paraná). Ele disse ontem ter ficado surpreso que o Datafolha tenha, na segunda pesquisa impugnada por ele, incorrido no que ele considera as mesmas irregularidades que motivaram a proibição de outro levantamento.

O diretor-geral do Datafolha, Mauro Paulino, contestou as críticas. Disse que "não há vício na pesquisa" e que "todas as exigências do TSE [Tribunal Superior Eleitoral] foram cumpridas".

Datafolha divulga pesquisa imaginária para diminuir repercussão de fraude


Depois de detectar sozinha, contra os números dos outros três institutos, uma queda súbita de Dilma a organização da famiglia Frias divulgou na calada da noite, poucas horas depois da fraude, uma nova "pesquisa" onde Dilma teria recuperado parte dos inacreditáveis 6.000.000 de votos que sumiram de repente.

A cara de pau dos funcionários da famiglia é de deixar qualquer Maluf envergonhado: o elemento Canzian diz que Dilma "conseguiu estancar a tendência de perda de votos". Como teria se dado esse milagre? Mal deu tempo de ler a pesquisa e analisar onde teriam acontecido as supostas quedas, os fatos de hoje não tiveram impacto nenhum porque a pesquisa já estava sendo feita. Fora a desonestidade ou incompetência sobra o quê?

Mais patéticos ainda são os pseudo-analistas que esmiuçam os números e buscam explicações mirabolantes para números inventados. Por salário nenhum uma pessoa séria se prestaria a esse papel ridículo.

Roubanel: Serra construiu a rodovia do medo


Inaugurado há exatos seis meses pelo então governador José Serra, o trecho sul do Rodoanel, na região metropolitana de São Paulo, permanece sem telefones de emergência ao longo dos seus 57 km de extensão, entre as cidades de Embu e Mauá. A reportagem do UOL Notícias percorreu todo o trecho da rodovia e constatou que também não há sinal de celular em algumas partes.

Caminhoneiros reclamam de falta de segurança e más condições no Rodoanel

Motoristas entrevistados pelo UOL Notícias afirmam que não há segurança, nem
condições adequadas para a circulação no trecho sul do anel rodoviário.
Ou seja, o motorista que trafegar pelo trecho sul do Rodoanel e tiver algum tipo de problema não terá como avisar as autoridades competentes ou pedir socorro, diferentemente do que ocorre nas principais rodovias do Estado, que possuem telefones de emergência em intervalos regulares --algumas delas a cada quilômetro.
Além disso, com exceção de pontos específicos, como pontes e viadutos, o Rodoanel não possui iluminação, causando medo e que agrava a situação do motorista que tiver o seu veículo quebrado.
Para completar, grande parte das áreas ao redor da rodovia é completamente inabitada --há sete unidades de conservação-- e não há saídas para acessar os bairros dos trechos urbanizados, o que impede, inclusive, que comunidades vizinhas usufruam da obra.

Carro-chefe de Serra

O trecho sul do Rodoanel, que possui quatro faixas de rolamento em cada mão, liga as rodovias dos Bandeirantes, Anhanguera, Castello Branco, Raposo Tavares e Régis Bittencourt --todas elas perpassadas pelo trecho oeste do anel viário-- ao sistema Anchieta-Imigrantes, que unem a capital à Baixada Santista.
Com orçamento de R$ 5,03 bilhões, o trecho sul é um dos carros-chefe do governo de José Serra (PSDB) em SP e foi usado à exaustão como propaganda durante a campanha presidencial. A obra foi a última grande ação do tucano no governo do Estado antes de se afastar do cargo, um dia depois da inauguração, para disputar a sucessão presidencial

Movimento "ACORDA SÃO PAULO" SindSaúde

Empate no Senado: Tasso tem 46%, Eunicio 44% e Pimentel 43%, diz Vox Populi Jereissati despenca e Pimentel dispara (Mais um coronel tucando dançando)


Faltando apenas quatro dias para as eleições a corrida pelo Senado a disputa está embolada entre os três principais candidatos. Tasso Jereissati (PSDB) está tecnicamente empatado com o candidato do PMDB, Eunício Oliveira e o petista José Pimentel.

O candidato tucano tem 46% das intenções de votos, enquanto Oliveira soma 44% da preferência dos eleitores. Colado com os dois está o candidato Pimentel, que tem 43% das menções

O candidato do PSDB, que liderou a corrida por uma das duas vagas desde o início da eleição, agora vê sua eleição ameaçada pelos adversários, que tiveram forte presença do presidente Lula em sua propaganda eleitoral nos últimos dias.
Como a margem de erro da pesquisa é de 3,5 pontos percentuais, para mais ou para menos, a indefinição sobre a escolha dos dois senadores deve seguir até o fim da apuração dos votos no Ceará.

Na comparação com a pesquisa do dia 10 de setembro, Tasso caiu cinco pontos percentuais e foi alcançado pelos adversários, que cresceram 6 pontos cada um.
Apesar da disputa embolada, 29% dos eleitores do Ceará ainda se dizem indecisos sobre a escolha dos dois representantes do Estado no Senado.

Governador

O candidato do PSB ao governo do Ceará, Cid Gomes, continua liderando a disputa pelo Palácio Bárbara de Alencar, segundo a nova rodada da pesquisa Vox Populi/iG.

De acordo com o levantamento, o atual governador tem 54% das intenções de voto e é seguido pelo candidato Lúcio Alcântara (PR), que registra 19% da preferência dos eleitores.

O terceiro colocado na disputa cearense é o candidato Marcos Cals (PSDB), que tem 12%.

Apesar da diferença entre Cid Gomes e os adversários ter diminuído quatro pontos percentuais em relação a pesquisa do dia 12 de setembro, o candidato do PSB mantém 23 pontos de diferença entre os principais adversários e seria eleito ainda no primeiro turno, segundo o Vox Populi.

O instituto também registrou que o número de indecisos no Estado caiu de 14% para 11%, enquanto os eleitores que declaram voto branco ou nulo se manteve em 4% em relação à última sondagem.

Eleição presidencial

Na disputa nacional, a candidato do PT, Dilma Rousseff, lidera a preferência dos eleitores cearenses com 70%. O candidato tucano, José Serra (PSDB) tem 15% no Estado, enquanto Marina Silva (PV), tem 8% das intenções de voto.

A pesquisa Vox Populi ouviu 800 eleitores no dia 24 de setembro. A pesquisa foi registrada no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) sob o número 32.967/10 e no TRE-CE sob o número 59.370/10.

quarta-feira, 29 de setembro de 2010

A testemunha-bomba do PiG é para associar Dilma ao PCC

Indivíduos do Capital e da região de Sorocaba, com diversas passagens pela polícia (roubos, receptação, assaltos à mão armada, seqüestros etc.) foram contatados por políticos ligados ao PSDB local através de um elemento intermediário com trânsito mútuo;

Foram informados de que “prestariam serviços” e levados até um shopping da cidade de São José do Rio Preto;

Lá mantiveram encontro com outras três pessoas, descritas como “muito importantes”, e receberam um adiantamento em dinheiro vivo;

Não se tratava de qualquer encomenda de morte, assalto ou ato criminoso tão comum para os marginais recrutados;

Imediatamente, tais bandidos foram levados até o Rio de Janeiro, a um bairro identificado como Jardim Botânico, onde ficaram confinados por dois dias;

Uma equipe de TV, num estúdio particular, gravou longa entrevista com os bandidos. O script era o seguinte: “somos do PCC, sempre apoiamos o governo Lula e estamos com Dilma”. Não fugiu disso, com variações e montagens em torno de uma relação PCC/Lula/PT/Dilma;

Os bandidos recrutados também foram instruídos a fazer ligações telefônicas para diversos comparsas que cumprem penas em penitenciárias do Estado de São Paulo. A ordem era clara: simular conversas que “comprovassem” a ligações entre o PCC e a campanha de Dilma;

Tudo foi gravado em áudio e vídeo;

A farsa começou a ser desmontada quando o pagamento final pelo serviço veio aquém do combinado;

Ao voltarem para São Paulo, alguns dos que gravaram a farsa decidiram, então, denunciar o esquema, relatando toda a incrível história acima com riqueza de detalhes;

As autoridades já estão no encalço da bandidagem. De toda a bandidagem;

A simulação seria veiculada por uma grande emissora de TV e por uma revista depois do término do horário eleitoral, causando imenso tumulto e comoção, sem que a candidata Dilma Rousseff, os partidos que a apóiam e o próprio governo Lula tivessem o tempo de denunciar a criminosa armação;

Essa é a “bala de prata”. Já se sabe seu conteúdo, os farsantes e o custo, além dos detalhes. Faltam duas peças: quem mandou e quem veicularia (ou ainda terá o desplante de veicular?) a maior fraude da história política brasileira;

Com a palavra, as autoridades policiais.

A propósito, o amigo navegante enviou essa “nota” extraída da imprensa de Brasilia:
29/09/2010 | 00:00 – www.claudiohumberto.com.br

Almoço global
A Rede Globo oferece em São Paulo almoço vip, nesta quinta, data do último debate presidencial, a Leandro Daiello, superintendente local da Polícia Federal – que anda atarefada com inquéritos de Erenice & cia.Do site de Paulo Henrique Amorim

Dilma Rousseff faz campanha contra o aborto

A candidata do PT disse que considera o ato uma violência contra a mulher. Ela afirmou que as mulheres que recorrem ao aborto em condições precárias correm risco de vida e devem ser atendidas.

Ibope divulga pesquisa com intenções de voto para a presidência da República

Encontro de Dilma com líderes cristãos

Em defesa da verdade, Vereador Carlos Apolinario, Lider do DEM Camara Municipal de SP e evangelista da Assembleia de Deus (Assista! Vale a pena!)

Em defesa da verdade, Carlos Apolinario, evangelista da Assembleia de Deus, não concorda com as acusações feitas pelos pastores Silas Malafaia e Paschoal Piragine, contra o PT, em relação, ao aborto e ao homossexualismo.

Michel Temer recebe apoio da Assembléia de Deus

Dilma recebe apoio de igrejas evangélicas

Lula e Edir Macedo tentam minimizar boatos contra Dilma


Bispo da Igreja Universal diz que boatos são 'jogo do diabo'; para Lula, a boataria é fruto de gente do 'submundo da política'

iG São Paulo | 29/09/2010 17:46

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva e o bispo Edir Macedo, da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), decidiram adotar ações para minimizar os boatos que circulam na internet que visam atingir a honra da candidata petista Dilma Rousseff (PT). Além das 27 lideranças religiosas que se reuniram com a presidenciável do PT na manhã desta quarta-feira, Edir Macedo postou em seu site oficial uma mensagem de repúdio aos boatos, entre eles, alguns com mensagens religiosas. O PT também começou a veicular uma peça publicitária em que o presidente Lula combate os boatos.

Na peça de propaganda, Lula diz que os boatos contra Dilma também aconteceram com ele e são fruto de pessoas que saem do “submundo da política para inventar mentiras”. O comercial começou a ser veiculado no site da candidata petista e, segundo a assessoria de Dilma, também será exibido na televisão e no rádio a partir de amanhã.

“Jogo do diabo”

Além do apoio de Lula, a mensagem do bispo Edir Macedo diz que quem espalha boatos sem fundamento contra Dilma está “fazendo o jogo do diabo”. Segundo o bispo, “devemos observar que pessoas mal intencionadas têm procurado confundir muitos cidadãos com mentiras mal elaboradas, a fim de atrapalhar o trabalho sério de alguns candidatos. Pense nisto”, escreveu Macedo.

A mensagem de alerta para os evangélicos da IURD foi postada na tarde desta quarta-feira e dizia respeito principalmente ao boato que circula na internet em que Dilma teria afirmado que “nem Jesus Cristo impediria sua vitória”. A frase, segundo Macedo e a própria campanha de Dilma, nunca foi dita pela candidata.

CARTA ABERTA À NAÇÃO BRASILEIRA


Na condição de Presidente do Conselho Nacional de Pastores do Brasil – CNPB; Presidente Nacional das Assembléias de Deus Ministério de Madureira; de Deputado Federal e homem de Deus compromissado com a verdade, sinto-me no dever de respeitosamente esclarecer:

1) Com relação à boataria cruel e mentirosa que permeia os meios de comunicação, principalmente a internet com intuito irresponsável de difamar e plantar dúvidas concernente à candidatura de Dilma Rousseff, tenho a dizer que em momento algum a afirmação “nem Cristo impede ...”, saiu dos lábios da senhora Dilma Rousseff, sendo portanto, mera ficção e sórdida mentira da parte desses autores.

2) Em reunião no dia 24 de julho próximo passado, na Sede Nacional das Assembléias de Deus no Brasil em Brasilia-DF, na presença de mais de 3.000 (três mil) pastores e líderes de todos os Estados do Brasil e Distrito Federal e, com a participação de 14 denominações evangélicas mais representativas do segmento religioso do país foi firmado um compromisso público de que todos os temas que envolvam conceitos de fé e princípios ético-religiosos serão sempre de iniciativa do poder legislativo – Congresso Nacional – e nunca por iniciativa do poder executivo; sendo esta candidatura a única a se comprometer de forma expressa e pública com estes princípios. Afirmou inclusive a candidata Dilma Rousseff, ser defensora da valorização da vida, da família e dos seus conceitos fundamentais.

3) Portanto, tudo que passar disso é mera invenção e mentira de pessoas descompromissadas com a verdade.

Reitero neste momento a nossa posição de apoio total e irreversível à candidatura de Dilma Rousseff à Presidência da República Federativa do Brasil, com a certeza de que estamos no rumo certo do sucesso, do desenvolvimento, da melhoria de vida das pessoas, da valorização da família, dos princípios éticos cristãos, sendo estes inequivocamente a base para a vitória que todos queremos os quais são defendidos reiteradamente por Dilma Rousseff.

Atenciosamente,

Bispo Doutor Manoel Ferreira

Dilma reune-se com católicos e evangélicos para reafirmar compromissos, sua posição contra o aborto e desmentir boatos


A candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, recebeu na manhã desta quarta-feira, 29, em Brasília, vários líderes das religiões católica e evangélica.

O objetivo foi deixar claro suas posições e compromissos, e desfazer uma onda de boatos disseminada contra ela, inclusive atribuindo frases que ela nunca disse.

Ao lado de nomes expressivos da Igreja Católica, como Gabriel Chalita, e da Igreja Evangélica, como o Pastor Manoel Ferreira e o senador Marcelo Crivella, Dilma voltou a declarar que professa a fé católica e não defende o aborto: "A instituição Presidência da República é laica, mas eu, pessoalmente, sou católica", afirmou a candidata.

Nos últimos dias, vem sendo espalhado na internet e entre fiéis de igrejas católicas e evangélicas em todo o País boatos mentirosos de que a petista seria favorável ao aborto e pretendia fechar templos.

Outro boato mentiroso bastante disseminado pela internet, atribuía a Dilma a declaração de que nem Jesus Cristo tiraria a vitória dela.

"Quero dizer, em especial, que lamento a campanha difamatória que fazem contra mim dizendo que estou utilizando o nome de Cristo pra falar que nem ele me derrotaria nas urnas. Isso é um absurdo, uma calúnia, uma vilania contra mim", afirmou Dilma.

"Como cristã, jamais usaria o nome de Cristo em vão", arrematou.

Nesse momento, foi aplaudida pelas lideranças religiosas que assistiram à coletiva.

Além de reafirmar sua posição contrária ao aborto, Dilma discordou da candidata do PV, Marina Silva. No debate realizado pela Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Marina declarou-se favorável a um plebiscito para discutir o aborto.

"Não sou a favor de plebiscito nesta questão porque acho que plebiscito divide este País. O que ganhar ou perder? Vai todo mundo perder, porque seja qual for o resultado, o outro lado não vai gostar".

Por fim, a candidata reafirmou que já se comprometeu com os líderes religiosos de que, se for eleita, o Executivo federal não vai enviar ao Congresso nenhum projeto de lei para mudar a legislação em vigor sobre o aborto (Com informações da Agência Estado).

Dilma reúne líderes religiosos para tentar conter boatos



Mensagem que começou a circular na internet atribui à petista a declaração de que nem mesmo Jesus Cristo lhe tiraria a eleição

Andréia Sadi, iG Brasília | 29/09/2010 15:16

A candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff, reuniu-se nesta quarta-feira (29), em Brasília, com 27 lideranças religiosas. No encontro, a petista reafirmou ser contra o aborto e repudiou o boato que se espalhou na internet nesta etapa final de campanha, que credita à petista a afirmação de que nem Jesus Cristo lhe tiraria a eleição.

"Quero repudiar a afirmação que colocam na minha boca de que eu disse em algum momento que ganharia as eleições. É uma campanha difamatória (..) Isso é uma falsidade, tentativa de sair do submundo da política e denegrir uma pessoa . Eu sou cristã e jamais utilizaria o nome de Cristo em vão", justificou Dilma.

A petista voltou a dizer que é “pessoalmente contra o aborto” e que não convocará um plebiscito para alterar a lei mesmo se o PT defender mudanças no sentido da legalização. "Não se trata de desautorizar (o partido). Eu não concordo. Como presidente, não tomarei esta posição", afirmou.

Nos bastidores, o comando da campanha de Dilma detectou nos últimos dias várias iniciativas na rede de depoimentos fraudados atribuídos à candidata que, segundo integrantes da campanha, seriam para indispô-la com setores religiosos. Além da frase sobre Cristo, uma nota da CNBB estaria circulando com conteúdo que pede para os eleitores não votarem em Dilma, alegando que a candidata seria a favor do aborto.

A coordenação acredita que seria uma ofensiva para forçar um eventual segundo turno e admite preocupação com a perda do eleitorado nesse segmento. Por isso, a campanha contatou emergencialmente as lideranças para uma reunião na manhã desta quinta-feira para desfazer os boatos.

Carta e apoio
A Convenção Nacional das Assembleias de Deus no Brasil Ministério de Madureira soltou agora há pouco uma carta aberta à nação brasileira, em que reitera o apoio ‘total e irreversível’ à candidata e repudia os boatos. Assinada pelo Bispo Doutor Manoel Ferreira, a carta chama de ‘cruel e mentirosa’ a boataria que permeia os meios de comunicação. A entidade representa 50% das igrejas evangélicas do Brasil.

PT é o partido preferido dos brasileiros


Segundo pesquisa CNI/Ibope, o PT é partido de preferência do eleitorado brasileiro, com 27%.

Em um distante segundo lugar está o PMDB, com 5%, ante 6% da avaliação anterior.

Na sequência, cada vez mais rejeitado pelos brasileiros, está o PSDB, que se manteve com 5%. E em quarto lugar está o PV, que subiu de 2 para 3% .

É com a força da militância petista que Dilma vai ganhar com mais de 10 milhões de votos à frente dos demais.

Nunca antes na história desse país, 79,4% da população aprovaram um governo e 80,7% gostaram tanto de um presidente


Nunca antes na história desse país, 79,4% da população aprovaram um governo e 80,7% gostaram de um presidente

29 de setembro de 2010

Levantamento da Confederação Nacional do Transporte (CNT) e do Instituto Sensus mostrou nesta quarta-feira (29) que 79,4% da população aprova o desempenho do governo do presidente Lula (PT). Os que fazem uma avaliação negativa da atuação do presidente somam 4% da população,A avaliação positiva do desempenho pessoal do presidente Lula continua alta e está em 80,7% de aprovaçao.

Pesquisa CNI/Ibope aponta vitória de Dilma


A pesquisa CNI/Ibope, divulgada hoje, indica na pesquisa estimulada que a candidata da coligação Para o Brasil seguir mudando, Dilma Rousseff, vencerá no primeiro turno, com 50% das intenções de voto. O tucano José Serra aparece com 27%.

Se computados apenas os votos válidos, a candidata tem 55%. “A eleição será definida no primeiro turno pela elevada aprovação do governo”, explica o diretor de Operações da Confederação Nacional da Indústria (CNI), Rafael Lucchesi. Desde a última pesquisa realizada pela CNI, em junho, Dilma subiu 12 pontos, enquanto o candidato tucano caiu cinco.

Ainda mais expressiva foi a ascensão da candidata na pesquisa espontânea, na qual os entrevistadores não citam os nomes dos candidatos. Nesta modalidade, Dilma (44%) cresceu 22 pontos percentuais, e Serra (21%) apenas cinco.

Quase metade (48%) dos entrevistados afirma que “com certeza” votará em Dilma, enquanto somente 24% fala o mesmo sobre Serra. O levantamento também analisa um “cenário reduzido”, onde não são computados os votos dos candidatos de pequenos partidos. Neste recorte, Dilma (51%) cresceu 11 pontos, e Serra (27%) diminuiu oito.

A margem de erro é de dois pontos percentuais. O Ibope ouviu 3.010 pessoas, entre os dias 25 e 27, em 191 municípios.

Sambódromo de São Paulo balançou no comício de Dilma e Lula

Mais oportunidade para o povo brasileiro



Nós últimos 8 anos, os brasileiros viram o país mudar para melhor. No Governo Lula, 36 milhões de pessoas entraram para a classe média e 28 milhões saíram da pobreza absoluta. Dilma Rousseff vai aprofundar esse caminho e acabar com a miséria no país.

Além disso, o Brasil nunca gerou tantos empregos como agora. Dilma coordenou o PAC e o Minha Casa, Minha Vida, programas que melhoram a infraestrutura e criam vagas para milhares de trabalhadores.

Com Lula, o salário mínimo sempre teve reajustes bem acima da inflação e houve aumento da massa salarial em geral. Dilma vai manter e aperfeiçoar essa política que tem ajudado a melhorar a vida de tanta gente.

É por essas e por outras que no próximo domingo, dia 3 de outubro, milhões de brasileiros vão às urnas eleger Dilma a primeira presidenta do Brasil.

Nós últimos 8 anos, os brasileiros viram o país mudar para melhor. No Governo Lula, 36 milhões de pessoas entraram para a classe média e 28 milhões saíram da pobreza absoluta. Dilma Rousseff vai aprofundar esse caminho e acabar com a miséria no país.

Além disso, o Brasil nunca gerou tantos empregos como agora. Dilma coordenou o PAC e o Minha Casa, Minha Vida, programas que melhoram a infraestrtutura e criam vagas para milhares de trabalhadores.

Com Lula, o salário mínimo sempre teve reajustes bem acima da inflação e houve aumento da massa salarial em geral. Dilma vai manter e aperfeiçoar essa política que tem ajudado a melhorar a vida de tanta gente.

E é por essas e por outras que no próximo domingo, dia 3 de outubro, milhões de brasileiros vão às urnas eleger Dilma a primeira presidenta do Brasil.

por Mulheres com Dilma

Dilma: militância deve ir para as ruas e pedir mais votos


A candidata da coligação “Para o Brasil seguir mudando”, Dilma Rousseff, esteve hoje pela manhã na Rodoviária de Brasília, onde tomou café, conversou com eleitores e fez um pedido a todos os militantes: “Quero fazer um apelo para a militância não esmorecer, ir para a rua, disputar voto a voto, com três coisas: serenidade, determinação e amor pelo Brasil no coração”.

Sobre o debate desta quinta-feira, na TV Globo, Dilma garante que manterá a linha dos anteriores. “Vou para o último debate mantendo o nível, mantendo o nível propositivo, que é o que a população deseja”.

A fala de Dilma foi aplaudida por cerca de 200 pessoas que estavam no local. “Temos de ter respeito pelo eleitor, esperar o encerramento da votação, a contagem dos votos e discutir daí pra frente”, afirmou a candidata.

Perguntada sobre a pesquisa Datafolha, Dilma afirmou que, durante toda a campanha, nunca avaliou os levantamentos de intenção de votos, mas abriria uma exceção. “Esta, eu vou comentar: estamos em um momento da eleição em que é normal que haja subidas e descidas. Temos de aguardar daqui para frente, tudo vai depender de quarta, quinta, sexta e sábado, daqui até lá, tem bastante pesquisa para a gente ver.”

Dilma destacou que o resultado da eleição só será definido no próximo domingo. “Não podemos achar que já ganhamos, estamos em uma situação que não dá pra dizer o que acontecerá no dia 3 de outubro. Como não dava antes, também não dá agora”, explicou.

Do Dilma 13

13 razões para as mulheres votarem em Dilma



1 – Dilma representa o novo Brasil que ajudamos a construir com Lula presidente. À frente de importantes funções públicas e, principalmente, como ministra do governo Lula, Dilma demonstrou competência, liderança e compromisso com o povo.

2 – Dilma é capacitada para disputar, vencer e governar o Brasil. Com competência e sensibilidade, ela vai dar continuidade às mudanças promovidas pelo Lula garantindo mais desenvolvimento e uma vida melhor para toda nossa gente.

3 – Dilma é uma mulher que sempre lutou pela democracia, desde a época de estudante e sabe muito bem a importância dela para o desenvolvimento de uma nação.

4 – Como a primeira mulher a dirigir o país junto com os brasileiros e as brasileiras, Dilma vai fortalecer e criar políticas públicas que garantam um Brasil cada vez mais justo e menos desigual.

5 – Na presidência, Dilma vai fortalecer programas que promovam o emprego e a geração de renda das mulheres. Vai também estipular ações que garantam a igualdade entre homens e mulheres no mercado e nas relações de trabalho, oportunidade de formação e qualificação profissional e de acesso a cargos de direção.

6 – Estamos com Dilma para darmos mais um passo importante para ampliar a participação das mulheres nos cargos de decisão dos poderes Executivo, Legislativo, Judiciário em todos os níveis.

7 – Queremos Dilma presidente para implementar uma política de criação de creches e pré-escolas públicas.

8 – Dilma presidenta para garantir às mulheres na cidade e no campo uma vida com qualidade.

9 – Dilma na presidência vai dar continuidade a programas que beneficiam mulheres e homens com a política de valorização do salário mínimo, o Bolsa Família, o Minha Casa, Minha Vida e o Luz para Todos.

10 – Dilma presidenta para consolidar a Política Nacional de Atenção Integral a Saúde da Mulher, fortalecer e melhorar a qualidade do atendimento do SUS.

11- Dilma presidente para garantir que a Lei Maria da Penha, que combate a violência doméstica contra a mulher, seja cumprida em todo o Brasil e para promover políticas capazes de reduzir todas as formas de violência contra as mulheres.

12 – Estamos com Dilma para presidenta por que acreditamos que é possível e necessário promover a promover a educação, a cultura, o lazer e a informação sem qualquer forma de discriminação e preconceito.

13 – Nós, mulheres, estamos com Dilma porque queremos ver o Brasil indo adiante, seguindo o caminho do desenvolvimento, da democracia, da solidariedade, das oportunidades, do respeito às diferenças. O Brasil que nós, brasileiras e brasileiros, merecemos. Por isso e muito mais votamos e pedimos, também, o seu voto para elegermos Dilma presidenta.

Declarações de Dilma sobre Jesus Cristo!


Em 1966 a quase desconhecida revista DateBook trouxe uma das mais polêmicas entrevistas da história do jornalismo. Nela, o beatle John Lennon afirmava com todas as letras: “ Nós (os Beatles) somos mais populares que Jesus Cristo”. A frase causou enorme polêmica entre os cristãos de todo o mundo e várias formas de boicote foram organizadas contra os quatro garotos de Liverpool.

Esta história serviu de mote para mais um email falso contra Dilma Rousseff, candidata do PT à Presidência da República. Para jogar Dilma contra grupos religiosos, foi atribuída à candidata a seguinte frase: “nem mesmo Cristo querendo, me tira essa vitória”.

A frase falsa teria sido dita, segundo o email falso, a uma jornalista local logo após a inauguração de um comitê da candidata em Minas Gerais. O mesmo email e alguns vídeos ainda tentam ligar Dilma à legalização do aborto, a candidata jamais falou algo parecido.

Como se prova que a declaração é falsa?

Fazendo algo semelhante ao que fez Carla Perez há alguns anos. Quando começou a fazer sucesso como apresentadora, Carla Perez foi alvo da inveja de muita gente. De uma hora para a outra, foi atribuída a ela uma “suposta” entrevista mais ou menos assim:

REPÓRTER: Carla, qual é o seu hobby preferido?

CARLA PEREZ : Aquele rosinha que eu tenho lá no hotel…

Carla Perez foi eficaz em desmentir o boato. Comprou espaços em jornais da Bahia e publicou o seguinte anúncio: dou um carro 0 km para quem tiver a cópia da suposta entrevista. É claro que ninguém jamais ganhou o carro e a calúnia foi provada.

Do mesmo modo, firmo aqui o compromisso de abrir este blog para publicar na íntegra a reportagem em que Dilma fala sobre Jesus Cristo, com as críticas à candidata, ao PT e até a mim, se quiserem.

MA: Flávio Dino ultrapassa Lago e venceria Roseana no 2o. turno


A eleição para governador do Maranhão será decidida em segundo turno, mostra pesquisa realizada pela Constat, que mostra a tendência de queda da candidata Roseana Sarney (PMDB), com 39% das intenções de voto. Já o candidato do PCdoB , Flávio Dino, mantém o viés de crescimento e, conforme a sondagem, já está em segundo com 25% das intenções de voto. Jackson Lago (PDT) é o terceiro com 20%. No segundo turno, Flávio Dino ficaria na frente de Roseana com 43% contra 42% da peemedebista.
O candidato do PSTU, Marcos Silva, aparece com 1%. Os outros dois candidatos Saulo Arcangeli (PSOL) e Josivaldo Corrêa (PCB) não pontuaram. O resultado da pesquisa Constat/Jornal Pequeno mostra que a soma dos candidatos que concorrem contra Roseana Sarney chega a 46% - sete pontos percentuais a mais que o índice alcançado pela peemedebista.

Segundo o levantamento, 13% dos eleitores estão indecisos, enquanto 2% responderam que votarão em branco ou nulo. A pesquisa da Constat entrevistou 1.537 eleitores em 41 municípios em todas as regiões do estado, entre os dias 23 e 26 deste mês, e está registrada no TRE-MA sob o número 37025/2010. A margem de erro é de 2,5 pontos percentuais para mais ou para menos com um intervalo de confiança de 95%.

Essa é a 1ª pesquisa Constat em 2010. Por conta de diferenças metodológicas, não se pode comparar pesquisas de institutos diferentes.

Segundo turno

Constat também fez simulações para o segundo turno. No cenário em que a disputa ocorre entre Roseana Sarney e Flávio Dino, o candidato do PCdoB venceria com 43% das intenções de votos. A peemdebista ficaria com 42%. Não souberam responder 9% dos entrevistados, enquanto 6% disseram votar em branco ou nulo.

Na segunda simulação, entre Roseana Sarney e Jackson Lago, 46% disseram votar na candidata do PMDB, enquanto o pedetista teria 38% das intenções de voto. No terceiro cenário, trabalhado pelo instituto para o segundo turno entre Flávio Dino e Jackson Lago, o candidato do PCdoB ficaria com 46% das intenções de voto contra 30% de Jackson. Doze por cento (12%) disseram não saber em quem votar e 12% responderam que votarão nulo ou em branco.

Rejeição

O Instituto Constat aferiu também a rejeição entre os candidatos ao governo. Roseana Sarney é a mais rejeitada pelo eleitorado maranhense, segundo a pesquisa. A filha de Sarney tem 28,63% de rejeição. Jackson Lago é rejeitado por 23,62% dos eleitores maranhenses. Já o candidato do PCdoB tem a menor rejeição entre os três principais candidatos a governador, com 6,31%. Saulo Arcangeli, Marcos Silva e Josivaldo Corrêa têm 3,97%, 2,86% e 2,28%, respectivamente.

Senado

Na pesquisa para o Senado realizada pelo Constat, o candidato Edison Lobão (PMDB) lidera com 21% das intenções de voto. João Alberto (PMDB) está em segundo com 16,51%; Zé Reinaldo (PSB) aparece em terceiro com 10,57%. Aplicando-se a margem de erro de 2,5 pontos percentuais para mais ou para menos João Alberto e Zé Reinaldo estão no limite do empate técnico.

Roberto Rocha e Edson Vidigal, ambos do PSDB, têm 7,71% e 6,47%, respectivamente. Professor Adonilson (PCdoB) tem 1,38%. Os demais candidatos não alcançaram o índice de 1%. Segundo a pesquisa, 27,44% dos eleitores estão indecisos, enquanto 6,1% do eleitorado disse votar nulo ou em branco.

Pesquisas Ibope e Escutec

A última pesquisa do Ibope, publicada no dia 18 de setembro, mostrou Roseana na liderança, com 46% dos votos, e Flávio Dino e Jackson Lago empatados com 21% cada um.

A última pesquisa da Escutec, publicada no dia 22 de setembro, aponta Roseana Sarney 47,4% das intenções de votos, contra 24,2% de Jackson Lago. O candidato do PCdoB, Flávio Dino, ocupa a terceira colocação, com 20,9%. O levantamento encontrou ainda 1% de intenções de voto em Marcos Silva (PSTU). Os demais concorrentes ficaram com índices abaixo de 0,5%.

Constat acumula saldos positivos na área de pesquisa de opinião

A Constat Pesquisa, instituto que há 12 anos trabalha com pesquisa no Maranhão, previu em 2006 que a eleição para o governo do Maranhão somente seria decidida em segundo turno. E foi o que aconteceu. A Constat, que atua no ramo desde maio de 1998, já acumula experiência de várias campanhas eleitorais: em 2002, fez trabalho terceirizado para a Toledos & Associados, apurando preferência eleitoral para presidente da República e governador nos Estados do Piauí e Maranhão.

Anteriormente, na campanha municipal do ano 2000, a Constat realizou mais de 10 pesquisas para a eleição de prefeito do município de São José de Ribamar, no Maranhão.

Trata-se de uma empresa que tem uma larga folha de serviços prestados. A Constat, regularmente registrada na Junta Comercial do Maranhão no dia 25 de maio de 1998, contabiliza na sua clientela empresas como a Companhia Vale do Rio Doce (CVRD), Intermídia Consultoria de Comunicação, supermercado Bom Preço, Caema, a extinta Gerência de Qualidade de Vida (hoje Secretaria de Estado da Saúde) e a VCR Comunicação & Marketing.

Com uma equipe multidisciplinar, que possui estatísticos, matemáticos, geógrafos, assistentes sociais e outras categorias profissionais, a Constat apurou, em 2006, números que apontavam a tendência de queda de Roseana Sarney Murad, então candidata do PFL, que provocaram uma desastrada reação dos veículos do Sistema Mirante de Comunicação. A mídia sarneyzista tentou na época atingir a imagem do instituto.

Fonte: Jornal Pequeno

Abicalil fala sobre pesquisa e mostra otimismo na reta final

Maggi e Abicalil querem atuar juntos no Senado


Ex-governador republicano é líder nas intenções de voto, segundo pesquisas eleitorais

Blairo Maggi se propõe a fazer uma dobradinha com Carlos Abicalil no Senado

DA ASSESSORIA

Durante reunião política realizada na noite desta terça-feira (28), no Centro de Eventos do Pantanal, os candidatos ao Senado pela Coligação Mato Grosso em Primeiro Lugar, Blairo Maggi (PR) e Carlos Abicalil (PT), reafirmaram o compromisso de formar uma dobradinha atuante no Congresso Nacional em prol do desenvolvimento de Mato Grosso.

“Sei que posso contar com a experiência parlamentar do futuro senador Abicalil. Vamos unir a contribuição que ele sempre deu ao Parlamento com meu conhecimento sobre a administração executiva e fazer uma dobradinha de sucesso em Brasília”, afirmou Maggi.

Em seu discurso, Abicalil afirmou que o sentimento de troca de experiências é recíproco. “Serei igualmente um aprendiz de Blairo Maggi no Senado. Seu cuidado, Blairo, com Mato Grosso durante os oito anos de mandato será fundamental para fazermos a parceria mais brilhante no Congresso Nacional”. Abicalil lembrou que o trabalho realizado por Maggi no Estado foi além dos investimentos em infraestrutura, saúde e educação. “Fez a diferença, trouxe alegria, melhor qualidade de vida e esperança para o povo mato-grossense”.

Maggi creditou as ações realizadas em seu governo à população. “O ser humano está sempre em busca do melhor, do crescimento, da evolução. E ainda bem que somos assim, porque dessa forma é que vamos para frente. Antes, as pessoas brigavam para reformar a escola. Hoje, elas querem piscina, quadra coberta e internet para todos”.

Pesquisa Ibope aponta Dilma com 50% e Serra com 27%


Levantamento foi encomendado pela Confederação Nacional da Indústria.
Marina Silva aparece com 13%. Margem de erro é de 2 pontos percentuais.


Robson Bonin
Do G1, em Brasília

imprimir Pesquisa Ibope divulgada nesta quarta-feira (29) em Brasília mostra a candidata do PT, Dilma Rousseff, com 50% das intenções de voto e o candidato do PSDB, José Serra, com 27% na corrida eleitoral pela Presidência da República. Marina Silva (PV) tem 13%, segundo o levantamento, encomendado ao instituto pela Confederação Nacional da Indústria (CNI). Brancos ou nulos são 4%. Não souberam ou não responderam, 4%. Os demais candidatos juntos somaram 1% das intenções de voto. O cenário com os votos válidos da pesquisa será divulgado em instantes.

Espontânea
O cenário divulgado pelo Ibope diz respeito à resposta estimulada, quando os entrevistados são confrontados com uma lista de candidatos. Já na pesquisa espontânea, quando os entrevistados respondem sem a ajuda da relação de candidatos, Dilma tem 44%, Serra 21% e Marina, 10%. Votos brancos ou nulos somam 5% e o presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que não disputa a eleição ainda aparece com 1% das intenções de voto.

Cenário reduzido
No cenário reduzido, quando os entrevistados são confrontados com a relação dos três candidatos mais bem posicionados nas pesquisas, Dilma tem 51%, Serra aparece com 27% e Marina soma 13%. Brancos e nulos são 4% e os que não responderam ou não sabem em quem votar, 5%.

Segundo turno
Em um eventual segundo turno entre Dilma e Serra, a candidata do PT teria 55% contra 32% do tucano. Brancos e nulos somariam 7%. Já em uma disputa de segundo turno envolvendo Dilma e Marina, a petista teria 56% contra 29% da candidata do PV. Brancos e nulos seriam 8%. No cenário entre Serra e Marina, o candidato tucano teria 43% contra 35% de Marina e os votos nulos ou brancos somariam 12%.

Rejeição
O Ibope também interrogou os entrevistados sobre a probabilidade de voto no dia 3 de outubro. Os que disseram que não votariam em Dilma somaram 27%. Já os que não votariam em Serra ficaram em 34% e Marina, 28%. Os entrevistados que disseram votar “com certeza” em Dilma totalizaram 48% contra 24% de Serra e 13% de Marina. Os entrevistados que afirmaram que “poderiam” votar em Dilma somaram 19%, Serra 35% e Marina, 45%.

Conhecimento
A candidata do PT é “bem conhecida” por 22% dos entrevistados enquanto Serra aparece com grau de conhecimento de 25% e Marina, 11%. Os que disseram conhecer Dilma “mais ou menos” somam 36% contra 39% de Serra e 27% de Marina. A petista é conhecida “só de nome” por 16% e nenhum dos entrevistados respondeu não conhecer Dilma. O candidato do PSDB é conhecido só de nome por 11% e todos os entrevistados disseram conhecê-lo. Marina aparece com 29% e 3% ainda disseram não conhecer a candidata do PV.

Apoio de Lula
Somaram 47% os entrevistados que disseram votar em um candidato apoiado pelo presidente Lula contra 8% que disseram ter preferência por candidato de oposição ao presidente. Os que não irão levar em conta o apoio de Lula para decidir o voto somaram 41%. Não souberam ou não responderam totalizaram 4%.

O Ibope também perguntou aos entrevistados sobre qual candidato teria o apoio do presidente Lula. 93% apontaram Dilma com a candidata de Lula, 1% apontaram Serra e nenhum entrevistado considerou Marina a candidata do presidente. Os que não souberam ou não responderam foram 6%.

Entre os dias 25 e 27 de setembro, o Ibope entrevistou 3.010 eleitores em 191 municípios e a margem de erro do levantamento é de 2 pontos percentuais para mais ou para menos. Em junho, quando a CNI divulgou o primeiro levantamento, a candidata do PT apareceu com 38% e Serra somou 32%. Marina tinha 7% das intenções de voto.

Em comparação com a última pesquisa CNI/Ibope, divulgada em junho, no começo da propaganda eleitoral na TV e no rádio, Dilma subiu 12% e Marina 6%. Serra foi o único a registrar queda 5%. Para o diretor operacional da CNI, Rafael Lucchesi, a propaganda eleitoral influenciou no resultado: "O melhor aproveitamento do tempo de TV e dos programas justifica essa queda de Serra e a subida de Dilma e Marina."

O ex-presidiário, astro da Globo, Folha de SP e Veja, sai da PF dizendo que aguarda só a "posse de Serra" para sacar R$ 9 bi do BNDES



O ex-presidiário Rubnei Quícoli (que tem duas condenações, acusado por receptação de carga roubada, de um BMW roubado e portar cédulas falsas de dinheiro), saiu de um depoimento de mais de 7 horas na Superintendência da Polícia Federal de São Paulo, declarando que "a eleição de José Serra" lhe abriria a porta do cofre do BNDES:

"... só voltará a Brasília 'para dois eventos':

... a 'posse do presidente José Serra' e a assinatura do empreendimento da usina solar"!


O empreendimento a que ele se referiu, é um mirabolante empréstimo de R$ 9 bilhões do BNDES. A empresa que ele disse representar, teve um projeto menor (mas ainda assim elevado, de mais de R$ 2 bilhões) vetado pela análise de crédito do BNDES, devido ao porte da empresa ser incompatível com empréstimos desse volume.

Depoimento para campanha do Serra


O ex-presidiário também confirmou mais uma vez que gravou depoimento para campanha de José Serra:

"Gravei depoimento para a campanha do Serra como gravaria para a campanha da Dilma, vivemos em um País livre, onde há tanta liberdade que alguns jornalistas distorcem a verdade", afirma.

Apesar de nossa torcida para que a campanha do Zé Baixaria levasse essa pérola de depoimento ao ar, parece que desistiram, devido à repercussão negativa.

Na PF o ex-presidiário nega o que foi publicado na revista Veja e coloca culpa na imprensa

O ex-presidiário, após depor na PF, divulgou uma nota pública para esclarecer as diferentes versões sobre sua oitiva na mídia:

"Não houve recuo ... em momento algum em nenhuma das entrevistas eu disse que o pedido desta propina era para o Partido dos Trabalhadores... Em momento algum eu disse que o dinheiro seria para a candidatura de Dilma".

Segundo o ex-presidiário, o ex-diretor dos Correios Marco Antonio Oliveira (ex-secretário de Obras de Itamar Franco, e ligado tanto a Aécio Neves como ao PMDB mineiro) é o autor das afirmações. Marco Antonio Oliveira fugiu de depor na segunda-feira na PF, recorrendo a um atestado médico.

Jornal Nacional manipula de novo

O Jornal Nacional, que na semana passada levou ao ar uma entrevista com o ex-presidiário fazendo as acusações acima, escondeu hoje dos telespectadores:
1) esse desmentido na PF;
2) o apoio entusiasmado do ex-presidiário a José Serra (PSDB);
3) a declaração de que gravou depoimento para a campanha de Serra;
4) a declaração vinculando a liberação do dinheiro do BNDES à eleição de Serra;

Serra ataca jornal tucano. E agora, a imprensa terá coragem de publicar editorial denunciando ameaça à liberdade de expressão?


Ao ser questionado pela Folha sobre qual deveria ser sua estratégia para os últimos dias da campanha, o candidato José Serra (PSDB), em vez de responder a pergunta,atacaou o jornal diário oficial do PSDB, a Folha. E agora? A Folha terá coragem de escrever editorial denunciando que o tucano José Serra ataca a imprensa? Que é contra a liberdade de expressão?

José Serra não ficou contente ao ver o jornal tucano publicar no domingo uma matéria com dados negativos sobre sua gestão no governo de São Paulo. Leia aqui "Promessas mentirosas de Serra na campanha já foram alvo do TCE de São Paulo por superfaturamento"

A Folha perguntou a Serra: "Candidato, nesses últimos dias de campanha, qual deve ser a [sua] estratégia?".

O tucano respondeu: "Certamente não é perder tempo com matéria mentirosa como a que você fez".

José Serra está falando do DataSerra que derrubou Dilma?

José Serra mencionou a existência de "pesquisas compradas", mas não citou nomes de institutos. Em relação às pesquisas "sérias", disse que mesmo em relação a elas tem dúvidas sobre os métodos usados.

"Não significa que seja uma indústria da mentira, não é isso", disse Serra."A minha dúvida é sobre metodologia, sobre conseguir captar uma coisa tão fluida como o ânimo do eleitor, especialmente sob as características do processo eleitoral deste ano."

Enfim, a censura do Beto Richa ganha o noticiario nacional. Adivinhe quem veio censurar a imprensa: o PSDB do Paraná.


Menos de uma semana depois que o PSDB promoveu um ato de protesto em defesa da liberdade de imprensa, no Largo São Francisco, em São Paulo, Mauro Paulino, diretor do DataFolha, escreve no jornal:

“Enquanto o PT vociferava contra os excessos da imprensa, o PSDB opunha-se concretamente ao direito constitucional de livre acesso à informação, censurando divulgações de pesquisas no Paraná. A pedido do candidato tucano Beto Richa, os juízes do TRE local proibiram os institutos de divulgar seus resultados. A decisão transforma o Paraná em um sombrio laboratório da classe política em seu anseio de reservar essas informações apenas para consumo próprio. Aos eleitores, cobaias da desinformação, oferecem em troca a boataria das porcentagens.”

Trata-se de um caso didático para quem levou a sério as denuncias de ameaça à liberdade de imprensa levantadas nos últimos dias. Eu sempre disse que eram acusações de fundo eleitoral. O vexame paranaense demonstra isso.

Até agora, Lula pode ter xingado e esbravejado. Acho que o presidente tem o direito de manifestar sua opinião....

Mas é preciso reconhecer que Lula não foi à Justiça para pedir a publicação de notícias desagradáveis contra seu governo. Imagine se tivesse feito isso quando surgiram as denúncias sobre Erenice Guerra. Ou se resolvesse impedir a divulgação das pesquisas que mostram que a vantagem de Dilma Rousseff diminuiu.

Este é o aspecto curioso deste episódio. Os tucanos acusam os petistas de pressionar a imprensa para não publicar notícias desagradáveis. Mas, na hora da dificuldade, é o PSDB quem parte para a truculência.

Isso ensina alguma coisa?

Acho que sim — e lembra, em escala miniatura, aquilo que aconteceu em 1964. Me perdoem a comparação, mas ela é inevitável.

Depois de acusar um governo constitucional de preparar a instauração de uma republica sindicalista e abrir o terreno para um regime comunista, seus adversários deram um golpe de Estado, suspenderam as liberdades e as eleições democráticas por 25anos.

Ao promover a censura, uma semana depois de acusar o governo Lula de pretender fazê-lo, os tucanos do Paraná deram uma demonstração da fraqueza de seus anunciados compromissos com a liberdade, não é mesmo?Paulo Leite.Na época

Candidatos apoiados por Lula são os favoritos para as eleições


Cerca de 135,8 milhões de brasileiros irão às urnas no dia 3 de outubro para escolher o presidente da República, dois terços do Senado e os governadores dos 27 estados, assim como para renovar a Câmara dos Deputados e as Assembleias Legislativas estaduais e distrital.

As eleições serão disputadas por 22.570 candidatos, dos quais nove concorrem à Presidência, 171 ao cargo de governador, 273 ao de senador, 6.036 ao de deputado federal e 15.280 ao de deputado estadual e distrital.

Pelo que antecipam as pesquisas, o grande vencedor será o Presidente Lula, cujo nome não está entre os candidatos à Presidência pela primeira vez desde 1989 porque, após dois mandatos consecutivos, não pode concorrer a um terceiro, já que a Constituição o impede.

A escolhida por Lula como candidata é a ex-ministra Dilma Rousseff, do PT, a grande favorita nas pesquisas, que a apontam como vitoriosa no primeiro turno em sua primeira ida às urnas.

Além de ter feito de Dilma a favorita para a Presidência, Lula, com sua alta popularidade, provavelmente conseguirá assegurar para ela um apoio majoritário no Congresso e governadores aliados na maioria dos 27 estados do país.

"Sem dúvida o grande favoritismo dos candidatos governistas é uma vitória de Lula. O presidente conseguiu transferir o sucesso de seu Governo aos partidos que apoia nas eleições", disse à Agência Efe o analista Antonio Augusto de Queiroz, diretor de documentação do Departamento Intersindical de Assessoria Parlamentar (Diap).

Dilma conta com cerca de 50% das intenções de voto.

Sua porcentagem de apoio nas pesquisas é quase o dobro daquela do candidato do PSDB José Serra, que tem 28%, e cinco vezes maior em relação à ex-senadora Marina Silva (13%), do PV, outra ex-ministra de Lula.

"Lula quer evitar que sua sucessora sofra surpresas negativas no Congresso. Como Dilma não tem o mesmo carisma que Lula é necessário garantir-lhe um apoio majoritário nas eleições, porque ela dificilmente conseguirá negociá-lo depois", assegura Queiroz.

Para o analista, "esse apoio consistente permitirá a Dilma fazer reformas estruturais que o próprio Lula, apesar de todo seu carisma, não conseguiu impulsionar no Congresso".

Segundo uma projeção do portal de informações políticas "Congresso em foco", os nove partidos que junto com o PT formam uma coalizão nestas eleições terão 51 das 81 cadeiras do Senado.

Esse apoio, que equivale a 63% da Casa, é suficiente para aprovar até emendas à Constituição. Trata-se de uma maioria da qual Lula nunca desfrutou, já que o Senado, onde atualmente a oposição é majoritária, sempre foi sua pedra no sapato e palco no qual sofreu várias derrotas.

Segundo projeções do Diap, quatro dos partidos da coalizão podem monopolizar 52,6% das 513 cadeiras da Câmara dos Deputados, aumentando assim uma representação que hoje é de 40,5%.

PT, PSB e PCdoB, atualmente com 208 deputados em conjunto, poderão conseguir até 270 cadeiras na próxima legislatura, segundo a projeção.

O PMDB pode aumentar sua representação dos atuais 90 deputados para 100, e o PT, com 79 cadeiras, pode ter entre 85 e 110.

Os partidos da oposição, por sua vez, sofrerão perdas. O PSDB de Serra, com 59 deputados atualmente, pode ficar com 55, e o Democratas (DEM) pode ver sua bancada reduzida dos atuais 56 deputados para uma faixa de entre 38 e 53.

Quanto aos Governos estaduais e distrital, as pesquisas do Instituto Datafolha indicam que os candidatos apoiados por Lula são favoritos em 16 dos 26 estados e Distrito Federal, e estão tecnicamente empatados com os opositores em outros quatro.

terça-feira, 28 de setembro de 2010

Confira o mais novo jingle da campanha do Candidato Geraldo Alckmin

No comício de SP Lula e Dilma convocou todos nós para uma prosa sobre o voto consciente



Quem enfrentou a ditadura, os preconceitos, as elites arcaicas, como Lula e Dilma não tem medo de cara feia, nem de Serra, nem da Folha, nem de Datafolha, nem do Estadão, nem da Veja e nem da Globo.

Nós temos a melhor candidata, o melhor governo para ser continuado, com o apoio do melhor presidente, com os melhores resultados nos últimos 8 anos, e as melhores propostas para o futuro, o melhor projeto nacional, com a melhor e maior militância, e somos a força do povo.

Eles tem o preconceito, a mentirada, a baixaria, o cinismo da imprensa corrupta demo-tucana.

Por isso nós temos os melhores argumentos para discutir com qualquer um, sem nos deixarmos intimidar com a campanha de ódio terceirizada pela turma do Serra no noticiário do PIG.

Quem compara ponto por ponto, vota Dilma:

É Dilma X Serra.
É avanço X retrocesso.
É Lula X FHC.
É Petrobras X PetrobraX.
É Luz para todos X Apagão.
É emprego X desemprego.
É Reuni e ProUni X Universidade só para os ricos.
É SAMU-192 X Sanguessugas do Serra.
É rede de escolas técnicas X nada.
É Brasil soberano x FMI.
É aumento salarial dos professores X pauladas do Serra.
É pedágio de R$ 1,00 X pedágios de quase R$ 20,00.
É aposentadoria em meia-hora X FHC chamando aposentados de vagabundos.
É a CGU X a Dª Anadir que achava nada.
É a Polícia Federal Republicana X a que não investigava aliados no governo passado.
É o Procurador Geral da República independente X o engavetador.
É a 8ª economia do mundo (recuperada no governo Lula) x 13ª (no governo FHC).
É o amor ao próximo X abandono dos mais carentes.
É a imprensa livre, que Lula se recusou a comprar o silêncio X imprensa dócil, cooptada pelos demo-tucanos.


Quem vota consciente para um Brasil melhor, mais rico e mais humano, vota em Dilma. É só comparar.

Então vamos fazer o que o presidente Lula e Dilma sugerem: puxar uma prosa com os conhecidos e explicar o futuro do Brasil que está sendo decidido nestas eleições, com a seriedade que cada voto significa.

Tudo com muita consciência, falando apenas a verdade, porque contra fatos não há argumentos.

E não é só votar em Dilma, é importante votar também os candidatos a governador, a deputados e a senador comprometidos com o mesmo tipo de governo que Lula implantou no Brasil.

Vox Populi desmente Datafolha e traz números interessantes


O Tracking Vox Populi veio bem diferente do Datafolha (o instituto dos donos do jornal Folha de São Paulo, o mais serrista do Brasil, se é que é possível).

No Vox Populi, Dilma continua onde inabalável com 49%.
Serra oscilou para cima ficando com 25% (tinha 24% ontem).
Marina oscilou para baixo ficando com 12% (tinha 13%).


Oscilação de 1 ponto não significa nada em termos estatísticos, mas não deixa de ser curioso Serra ter subido 1 ponto quando baixou o tom de ataque ao governo de Lula e Dilma, no debate da TV Record, e Marina caiu um ponto justamente após ter descido do muro da imagem de "terceira via", e feito oposição à Dilma e Lula no debate da TV Record.

Conclusões:

1) as aparências de quem vence os debates enganam;
2) O Datfolha é o DataSerra;
3) Dilma, Serra e Marina continuam na mesma faixa que sempre estiveram nas últimas semanas;
4) A vantagem de Dilma continua com folga para vencer no primeiro turno no Vox Populi;
5) Pesquisa é pesquisa, e eleição é eleição. Tanto faz se tem 30, 40, 50 ou 60% nas pesquisas, que é preciso agir como se tivesse com 30% precisando de conversar, argumentar, adesivar, panfletar, twittar com quem a gente possa, para que Dilma faça o equivalente a um terceiro mandato do presidente Lula, cada vez melhor.

Sensacional: programa de TV da Dilma é um verdadeiro documentário



O programa de TV da Dilma na tarde desta terça-feira, foi sensacional.

Se tiver algum conhecido indeciso ou vacilão, e que ainda não viu, chame para ver esse vídeo. Discuta ponto por ponto, porque convence qualquer um quem é a melhor candidata para o Brasil e para os brasileiros, e porque é a melhor candidata.

Ou mande o link para seus amigos, explicando como no texto desta nota:

http://www.youtube.com/watch?v=yUyonTmxjTI

Dá vontade até de gravar em DVD e distribuir para os conhecidos.

Isso não foi só propaganda política. Foi um documentário de curta-metragem.

Mostrou todo o significado da era Lula para vida das pessoas, comparou o modelo de governo de Dilma e Lula como o de Serra e FHC (governo anterior).

Foi documentário, foi emoção, foi uma aula de história, e foi uma aula de política.

Teve o povo como personagem principal, explicando como as boas políticas públicas afetam a vida e cotidiano das pessoas. Como bons governos são parceiros de cada brasileiro, e maus governos prejudicam nossa vida. Mostrou Dilma e Lula com a função que todo líder político deve ter: servir ao povo brasileiro com dedicação, amor, civismo e patriotismo.

Abaixo segue a transcrição em texto aproximada do que é exibido no vídeo:

Começou mostrando os avanços em relação ao governo passado, contando histórias de como a vida das pessoas melhoraram, em vários lugares do Brasil, ressaltando o transporte escolar rural, o luz para todos, o SAMU-192, um trabalhador com carteira assinada que estava desempregado, um aposentado sendo atendido com rapidez e eficiência no posto do INSS, a redução de impostos que permitiu a compra do carro novo, e várias coisas que não existiam no governo passado, como o centro esportivo da Rocinha no Rio, o estaleiro Atlantico-Sul em Pernambuco, o sonho da casa própria que se realizou.

Narrou um dia na vida destas pessoas, um dia de trabalho de milhões de brasileiros construindo um Brasil mais forte, justo e feliz.

Dilma, ao lado de Lula, aparece dando seu depoimento:

"... no nosso governo o Brasil mudou, com economia sólida, investimentos, recorde de produção no campo, o comércio indo bem, e o emprego não para de crescer, mas a grande mudança foi melhorar a vida das pessoas, com o brasileiro podendo realizar o sonho da casa própria, do carro, de ter um computador, de comprar eletrodomésticos e móveis.

Quem nasce pobre não está condenado a ser pobre para sempre, porque sabe que pode subir na vida e tem um governo que vai lhe apoiar.

Ajudei a criar esse novo Brasil lado a lado com o presidente Lula. Vou trabalhar agora para ampliar estas conquistas. Esse é o compromisso que assumo com todos os brasileiros e brasileiras". - prossegue Dilma.

O programa continua mostrando a sensibilidade para realizar grandes programas sociais como o "Luz para todos" e o "Minha Casa, Minha Vida".

Capacidade para tirar grandes projetos do papel e gerar milhares de empregos. Isso Dilma tem de sobra. Com ela tudo anda:
- Projeto de integração do Rio São Francisco;
- reativação da indústria naval;
- modernização do porto de Santos;
- Ferrovia Norte-Sul;
- Ferrovia Nova Transnordestina;
- Hidrelétricas do Rio Madeira;
- Pac nas comunidades do Rio de Janeiro;
- Grandes obras rodoviárias em todo o país;

Com ela e Lula o país conseguiu o que ninguém imaginava:
- 36 milhões subiram para a classe média;
- 28 milhões saíram da pobreza extrema;
- a dívida com o FMI foi zerada;
- o Brasil se tornou líder mundial no combate à fome e na defesa do meio ambiente;
- Conquistou a copa de 2014 e olimíadas de 2016;

É com essa competência que Dilma vai conduzir o Brasil ao futuro.

Dilma volta a falar com os brasileiros, da Petrobras ter se tornado a 2ª maior empresa de petróleo do mundo, e a 4ª maior empresa do mundo.

Mostra a demonstração de prestígio e força do Brasil com a Petrobras recebendo R$ 120 bilhões de investimentos na Bolsa de Valores. O maior volume da história mundial. Coloca as imagens do presidente Lula discursando na Bolsa de Valores de São Paulo.

Depois, o programa narra que no governo passado a Petrobras perdeu força, e até tentaram trocar seu nome para PetroBrax.

Nesse governo tudo mudou. Lula fez de Dilma presidente do Conselho de Administração da Petrobras - diz o documentário.

Com Lula e Dilma, nos tornamos auto-suficientes na produção de Petróleo, e descobrimos o pré-sal. Agora com a valorização da Petrobras, vamos poder explorar todo esse potencial. O Brasil será um dos maiores produtores de petróleo do mundo. E graças a uma lei criada pelo governo Lula, a riqueza do pré-sal será investida em educação, saúde, cultura, combate à pobreza, meio-ambiente, e ciência e tecnologia, melhorando a vida de todos os brasileiros.

Dilma volta a falar:

"Junto com o Presidente Lula, trabalhei muito para o fortalecimento da Petrobras, a mais brasileira de nossas empresas. É uma alegria imensa, ver que agora ela vai poder contribuir ainda mais para o desenvolvimento do país.

É assim, valorizando o que é nosso, que vamos seguir mudando o Brasil."

Depois vem depoimento de um homem do povo, que aprovou o governo Lula e vota em Dilma.

Dilma retorna:

"Agora que a eleição está chegando à reta final, é mais importante que nunca, cada brasileiro comparar o nosso modelo de governar com aquele modelo do passado.

Para nós, melhorar a vida das pessoas, não é uma promessa de campanha. É uma prática do nosso dia a dia.

Tudo que eu e o presidente Lula ralizamos nos últimos sete anos e meio teve esse objetivo.

O resultado está aí. O Brasil mudou e está pronto para seguir mudando em todas as áreas: na educação, na saúde, na segurança, na habitação, na geração de empregos.

É assim que vamos continuar construindo um país cada vez melhor."

Lula entra, dando seu depoimento:

"Hoje, quando olho para trás e vejo como o Brasil mudou, é até difícil explicar. Mudou tudo: a forma como o brasileiro enxerga o país, a forma como o mundo enxerga o Brasil.

Estamos prontos para crescer como nunca crescemos antes.

O governo tem um rumo, a economia está sólida, e o povo está confiante. A gente percebe uma energia nova no país.

Quer saber?

Valeu a pena ter vivido tudo o que eu vivi para ver que era possível transformar o Brasil nuim país melhor.

Tenho muito orgulho de ter começado esse trabalho e a maior certeza do mundo de que a Dilma vai dar os passos que ainda faltam para o Brasil se transformar num país realmente desenvolvido."

“Não voto mais em MARINA e digo por quê” declaração do Pastor Silas Malafaia


setembro 28th, 2010 | Autor: Sandra de Andrade

Pior do que o ímpio é um cristão que dissimula. Eu queria entender como uma pessoa que se diz cristã, membro da Assembleia de Deus, afirma que se for eleita presidente do Brasil vai convocar um plebiscito para que o povo decida se aprova ou não o aborto, ou se aprova ou não o uso da maconha.
Marina precisa aprender com a ex-senadora Heloísa Helena, católica praticante e pertencente a um partido ultrarradical. Heloísa Helena declarou peremptoriamente: “Sou contra o aborto!” Na audiência pública da Comissão de Constituição e Justiça da Câmara dos Deputados, deu um verdadeiro show, não apenas à luz de questões religiosas, como também científicas. Ela mostrou a desgraça, a mazela, e uma das coisas que mais aborrecem a Deus: a força dos poderosos contra os indefesos. Ao propor plebiscito, Marina está “jogando para a torcida”, para ficar bem com os que são contra e com os que são a favor. SAI DE CIMA DO MURO, MINHA IRMÃ! QUE PLEBISCITO COISA NENHUMA! O povo brasileiro não tem todas as informações necessárias para decidir esta questão de maneira isenta. Temos toda a mídia a favor dessa nojeira do aborto. Com certeza vão jogar pesado para influenciar.
Cultivar uma vida cristã significa ser radical. Radical contra o pecado, contra esse sistema mundano dirigido pelo diabo. Como diz a Bíblia, não vos conformeis com este mundo, mas transformai-vos pela renovação do vosso entendimento (Romanos 12.2).
A palavra de Marina como cristã teria de ser apenas isto: “Sou contra o aborto e a legalização da maconha”. Como faltaram convicção e firmeza em suas declarações, uma vez que o cristão tem de “mostrar a cara” posicionando-se de forma categórica contra o pecado, Marina perdeu meu voto. Já que não tenho tantas opções, votarei em Serra para presidente. Infelizmente, Marina não nega suas raízes petistas.
Silas Malafaia, Pastor
Rio de Janeiro, 27 de setembro de 2010

segunda-feira, 27 de setembro de 2010

FOLHA DE S. PAULO E ESTADÃO, SÓ NO LIXO!


Resposta aos Barões da Imprensa paulista

Dois dos maiores jornais do país tomaram uma decisão que, quando a história deste período for contada, explicará a decadência em que mergulharam aqueles que serão lembrados como “barões da imprensa”. Em 26 de setembro de 2010, os periódicos anunciaram, em editoriais, as suas respectivas posições políticas, ambas de confronto com o governo de Luiz Inácio Lula da Silva.

Os jornais O Estado de São Paulo e Folha de São Paulo surgiram em um Brasil que não existe mais. Naquele país-fazenda, ribombavam as vozes das famílias que os fundaram e que os tornaram multimilionários à custa do Estado, dos favores de governos amigos, alguns alçados ao poder por meio de ruptura da ordem constitucional que esses veículos apoiaram.

O Estado de São Paulo nasceu em 1875, sendo batizado como A Província de São Paulo. O jornal foi impulsionado pela venda avulsa. Um imigrante francês chamado Bernard Gregoire saía a cavalo pelas ruas da capital paulista soprando uma corneta e vendendo exemplares. A imagem do vendedor trombeteando em seu cavalo tornar-se-ia símbolo do jornal.

Em 1964, o jornal paulista, agora rebatizado como O Estado de São Paulo, perfilou-se à União Democrática Nacional (UDN) de Carlos Lacerda, fazendo oposição cerrada ao então presidente João Goulart. Dois anos antes do golpe, o diretor do jornal, Júlio de Mesquita Filho, redigiu o “Roteiro da Revolução”, editorial em que exortava a oposição civil a se unir aos militares, então chamados de “partido fardado”, que desde o limiar da República interferia na política.

Em 1964, o jornal O Estado de São Paulo pediria e apoiaria o golpe militar e a eleição indireta de Castello Branco. Em 1º de abril daquele ano, publicou texto de apoio à derrubada de João Goulart fazendo uma relação entre aquele momento político e o da Revolução Constitucionalista de 1932.

O jornal paulista só romperia com a ditadura quatro anos depois do golpe. Em 1968, com a sua redação ocupada por censores do regime, publicou editorial que seria censurado por meio de apreensão de seus exemplares que chegavam às ruas. A família Mesquita descobriria, então, que quando se viola a democracia nem os que ajudaram a fazê-lo podem se considerar a salvo dos chefes violadores.

A Folha de São Paulo, por sua vez, nasceu em 1921, 46 anos depois do Estadão. Então batizada como “Folha da Noite”, era dirigida por Olival Costa e Pedro Cunha. Durante a revolução de 1930, foi fechada por reação popular, que empastelou o jornal.

Voltou a funcionar em 1931 com novos donos e nova linha editorial, sob o nome de Folha da Manhã. Era dirigida por Alves de Lima, Diógenes de Lemos Azevedo, Guilherme de Almeida e Rubens do Amaral. Em 1962, o jornal foi vendido a Carlos Caldeira Filho e Octavio Frias de Oliveira e rebatizado como Folha de São Paulo.

Tal qual o Estadão, a Folha também apoiou o golpe militar de 1964 e a ditadura que estava sendo implantada no Brasil. Segundo o colunista Elio Gaspari, chegou a emprestar veículos para transporte de presos. Isso mesmo, o jornal que fala em censura à imprensa fez parte da estrutura de assassinato e tortura dos ditadores de plantão.

Eduardo Guimarães